Um profissional vê “desprezo à enfermagem” e o conselho que fiscaliza o trabalho da categoria sugere troca

Leito no Hospital Regional de Mato Grosso do Sul (Foto: Subcom/Governo de MS)

Causa revolta entre uma enfermeira e o Coren (Conselho Regional de Enfermagem), responsável por fiscalizar o trabalho da categoria, o termo “médicos e seus auxiliares” aparece em uma portaria publicada ontem (2) no Diário Oficial de Mato Grosso do Sul.

O documento dita normas sobre a escolta de presos durante o transporte e permanência em hospitais no Estado. Ele foi republicado por conter erros em relação à versão divulgada em fevereiro. O mesmo termo já estava na primeira e não foi revisto.

Enfermeira que já fez pesquisa em presídios, Wanessa Bezerra leu e se manifestou sobre o “desprezo à enfermagem” e seu trabalho que a escolha na portaria pode representar, considerando que os profissionais da área são os que normalmente estão presentes no atendimento aos presos, à beira dos leitos. “Agora existe auxiliar de médico? Um documento público desse, isso não dá para deixar passar”, reivindica.

Acima da linha vermelha o termo "auxiliar"  aparece (Foto: Reprodução/Edição de 04/02/2024 do Diário Oficial de MS)
Acima da linha vermelha aparece o termo “auxiliar” (Foto: Reprodução/Edição de 04/02/2024 do Diário Oficial de MS)

Ela também desabafa sobre ainda sofrer com a experiência que teve como enfermeira no sistema prisional.

“Aí o enfermeiro identifica a necessidade de encaminhar para uma unidade de emergência e eles (os médicos) não são infectados. Não levam. O preso morre e a enfermeira ainda tem que explicar a morte sem escrever que eles ignoraram e duvidaram da enfermeira”, exemplifica.

Substituição – O Coren em Mato Grosso do Sul invejou o diretor-presidente da Agepen (Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário) no Estado, Rodrigo Rossi Maiorchini, pedindo que o termo seja substituído por “demais membros da equipe multidisciplinar de saúde”.

O Conselho dá também uma sugestão de especificação no documento que pode fazer parte dessa equipe. “Médicos, enfermeiros, técnicos e auxiliares de enfermagem, fisioterapeutas, farmacêuticos, nutricionistas, psicólogos, dentre outros”, elenca.

Fachada do Conselho Regional de Enfermagem de MS (Foto: Divulgação)
Fachada do Conselho Regional de Enfermagem de MS (Foto: Divulgação)

Em outro trecho do documento, o órgão aponta como o termo “auxiliar de médico” pode soar discriminatório à enfermagem, reforçando que os profissionais da categoria fiquem ao lado do paciente, sendo um detento ou não.

“Muita gente na sociedade acha que um enfermeiro, por exemplo, é naturalmente um auxiliar, um apoio, um braço direito, para os médicos. Não é assim. A Enfermagem é uma profissão científica, com suas próprias definições e funções, Código de Ética e focado em pesquisa, com profissionais que até mesmo trabalham como empreendedores”, diz o ofício do conselho.

Vai trocar? – A assessoria de imprensa da Agepen foi contatada para se manifestar sobre o atendimento ou não ao pedido do Coren, mas ainda não respondeu. O espaço segue aberto.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal fazer Notícias Campo Grande e siga nossos redes sociais.

By admin

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *