“Acreditamos que a arte deve ser acessível a todos. Ampliar o acesso por meio de iniciativas digitais nos permite estabelecer relações com os entusiastas da arte em todo o mundo.”
– Stephen Mannello, chefe de varejo e licenciamento do Metropolitan Museum of Art

Desde o ano passado, os usuários da Samsung Art Store têm a oportunidade de exibir obras de arte icônicas do The Metropolitan Museum of Art (The Met) na The Frame, transformando suas TVs em telas digitais que adicionam um toque artístico a qualquer ambiente. Nessa parceria com a Samsung, o público tem acesso a experiências digitais imersivas que permitem apreciar artistas históricos no conforto de suas casas.

O The Met busca ampliar a educação artística ao explorar novas formas de utilizar a tecnologia para promover o intercâmbio cultural e inspirar o público ao redor do mundo. O objetivo é diminuir a distância entre o passado e o presente, criando um futuro onde a beleza e a criatividade possam prosperar em qualquer lugar.

A Samsung Newsroom entrevistou Stephen Mannello, chefe de varejo e licenciamento do The Met, para discutir a parceria com a Samsung e como a tecnologia pode influenciar positivamente a experiência do museu.

▲ O Metropolitan Museum of Art firmou parceria com a Samsung Art Store para democratizar o acesso à sua renomada coleção de arte.

Uma nova parceria para a era digital

P: Qual é a sua função no The Met? Como você influencia a experiência do museu e do visitante?

Sou chefe de varejo e licenciamento do The Met, minha função envolve colaborar com a The Met Store e nossos parceiros licenciados para desenvolver produtos, publicações e experiências inspiradas na vasta coleção de arte do museu, que abrange 5.000 anos de história. Nosso objetivo é disponibilizar esses produtos aos consumidores em todo o mundo.

Esta posição me proporciona uma oportunidade única de estabelecer uma conexão significativa com visitantes e consumidores, oferecendo produtos que os envolvem, educam e inspiram a explorar as 19 diferentes áreas de coleção do Met de maneiras inovadoras. Os recursos gerados pelo nosso trabalho são direcionados para apoiar o estudo, conservação e apresentação da coleção do The Met, garantindo que haja um impacto tangível nos produtos e experiências que desenvolvemos.

“Estamos liberados em evoluir e experimentar enquanto continuamos a missão do The Met de trazer a arte para o cotidiano, e a tecnologia desempenha um papel essencial para tornar isso possível.”

P: Qual foi o foco inicial do The Met quando iniciou a colaboração com a Samsung Art Store* no outono passado?

Trabalhar com a Samsung Art Store nos permite ingressar em um espaço único onde a tecnologia se encontra com a inovação digital e o design de interiores. Nossa coleção inaugural abrange diferentes períodos e locais, incluindo destaques dos 17 departamentos curatoriais do The Met, que os usuários do The Frame podem explorar e exibir em suas casas.

Compartilhar essas obras adoradas com a Samsung Art Store nos possibilitou apresentar uma pequena parte do que o The Met tem a oferecer a um público global de amantes da arte e do design como nunca antes — e isso é apenas o começo do que esperamos que seja uma relação segurança. Estamos ansiosos para compartilhar mais de nossa coleção e explorar diferentes ofertas temáticas que irão inspirar e encantar os usuários da Samsung Art Store no futuro.

P: Nos últimos meses, qual foi a ocorrência dos usuários do The Frame na coleção do The Met?

Ficamos maravilhados ao constatar a popularidade das obras de arte do The Met na plataforma. Isso representa um verdadeiro testemunho do apelo de obras como “Campo de trigo com ciprestes”, de Vincent van Gogh, ou “Washington cruzando o rio Delaware”, de Emanuel Leutze, – ambas atrações populares em nossas galerias e reproduzidas lindamente quando são exibidas digitalmente na The Frame.

▲ “Campo de trigo com ciprestes”, de Vincent van Gogh, na The Frame

Impressionismo com The Met e Art Store

P: A Samsung Art Store apresentará neste mês uma seleção de obras impressionistas da coleção do The Met. Qual é o significado dessa nova seleção?

O movimento impressionista começou em 1874, apenas quatro anos após a fundação do The Met. Embora esses dois eventos sejam independentes um do outro, há um paralelo interessante no espírito revolucionário de artistas como Edgar Degas e Camille Pissarro – que lideraram a inovação desse estilo radical de fazer arte, enfatizando a vida cotidiana – e na fundação do The Met, que buscava democratizar a arte, tornando-a acessível às massas.

Ao longo dos últimos 150 anos desde o início do movimento, o The Met tornou-se o lar de bolsas de obras impressionistas renomadas que permaneceram como favoritas dos visitantes. A beleza visual dessas obras é complementada por suas histórias fascinantes. Por exemplo, “A família Monet no seu jardim em Argenteuil” foi pintada por Edouard Manet em 1874, enquanto os dois artistas estavam de férias vindo um do outro. Enquanto Manet pintava essa obra, Monet, por sua vez, pintava Manet, e Renoir simultaneamente pintava “Madame Monet e seu filho” (atualmente na National Gallery of Art em Washington, DC). Essas obras de arte refletem o vibrante repertório criativo que ocorreu entre os impressionistas no início do movimento.

P: Das obras de arte selecionadas para a Samsung Art Store, quais são as três que você recomendaria para a The Frame?

▲ “Vista do Monte Holyoke, Northampton, Massachusetts, após uma tempestade – The Oxbow” (1836) por Thomas Cole

A primeira é “Vista do Monte Holyoke, Northampton, Massachusetts, após uma tempestade – The Oxbow” (1836), de Thomas Cole. Essa pintura impressionante de paisagem da Escola do Rio Hudson combina a natureza selvagem e os assentamentos pastorais para realçar a beleza do cenário americano, oferecendo uma ampla gama de interpretações possíveis da mensagem do artista. Escondido no primeiro plano, Cole se inclui em seu cavalete capturando a cena de tirar o fôlego. Os detalhes refinados e a natureza enigmática da obra proporcionam uma experiência cativante para quem a contempla em casa.

▲ “A Parada do Circo (Parade de Cirque)” (1887-88) por Georges Seurat

A próxima é “A parada do circo (Parade de Cirque)” de Georges Seurat (1887-88). Essa pintura inovadora é a primeira cena noturna do artista e a primeira a retratar entretenimento popular. Na época em que foi criado, o desfile, ou espetáculo paralelo, era uma atração gratuita destinada a atrair transeuntes para comprar ingressos para o evento principal do circo. Os excelentes detalhes desta composição pontilhista são especialmente simples de apreciar na The Frame.

▲ “Natureza morta com maçãs e um pote de prímulas” (ca. 1890) de Paul Cézanne

Por último, recomendo “Natureza morta com maçãs e um pote de prímulas” de Paul Cézanne (ca. 1890). Essa natureza elegante morta já pertenceu a Claude Monet – um amante da jardinagem – que recebeu de presente do pintor Paul Helleu, que criou o famoso desenho do teto astrológico na Grand Central Station. Com seus núcleos ousados ​​e linhas gráficas, esta bela obra demonstra o domínio de Cézanne na natureza morta e certamente valorizará qualquer ambiente.

P: Em sua opinião, como o The Met empregou a The Frame e a Samsung Art Store para apoiar ainda mais suas aspirações de reunir públicos de diferentes países e culturas e estabelecer conexões inesperadas?

Essa iniciativa digital proporcionou uma potencial extensão da experiência do museu para o ambiente doméstico. Assim como acontece ao visitar galerias, diferentes obras ressoam em pessoas distintas em momentos diversos de suas vidas. É emocionante observar os usuários selecionando e alterando constantemente as obras de arte exibidas em suas casas, de acordo com seu humor, estética de design ou até mesmo a estação do ano. A visita a museus deve ser uma jornada de descoberta e curiosidade, com um elemento de surpresa. O recurso do The Met na Samsung Art Store é um exemplo de sucesso de tradução de uma experiência física para o ambiente digital.

O impacto da tecnologia na arte e na acessibilidade

P: Qual sua opinião sobre o impacto da arte nos indivíduos e sua influência na cultura coletiva? Como o The Met contribui para esse impacto?

O The Met é um espaço dedicado a inspirar, educar e revelar conexões surpreendentes ao longo do tempo e do espaço. Nossa coleção abrange mais de 1,5 milhão de exemplos de realizações criativas humanas de todo o mundo, oferecendo aos visitantes do museu e do nosso site uma oportunidade única de mergulhar na arte. Vivenciar o The Met e suas obras representa uma oportunidade para reflexão, questionamento e exploração de ideias e criatividade inexploradas.

“Existe uma conexão intrigante entre o espírito revolucionário do movimento impressionista, que trouxe uma nova ênfase à vida cotidiana, e a missão do The Met, que buscava democratizar a arte.”

P: Em sua opinião, porque é que é essencial democratizar o acesso à arte, disponibilizando-a um público mais vasto através de plataformas como a Samsung Art Store?

Acreditamos que a arte deve ser acessível a todos, mas muitas pessoas que visitam o The Met só conseguem fazê-lo uma única vez na vida. Ampliar o acesso por meio de iniciativas, produtos e experiências digitais nos permite estabelecer relações rígidas com entusiastas da arte em todo o mundo.” Esperamos que ao compartilhar a coleção do The Met na The Frame possamos desencadear um diálogo significativo sobre cultura e criatividade, abrangendo passado, presente e futuro.

P: Que papel desempenhará a tecnologia na melhoria da experiência do museu, especialmente no contexto de plataformas de arte digital, como a Samsung Art Store?

O envolvimento digital com entusiasmo da arte nos permite destacar obras da coleção do The Met de maneiras inovadoras, promovendo a descoberta e a exploração. Isso pode incluir a visualização de obras que não estão em exibição nas galerias, aprender as histórias por trás da arte e dos artistas, ou ampliar os detalhes – essas são apenas algumas das possibilidades iniciais de trazer obras de arte físicas para o espaço digital. Estamos liberados em evoluir e experimentar enquanto continuamos a missão do The Met de trazer a arte para o cotidiano, e a tecnologia desempenha um papel essencial para tornar isso possível.

Saiba mais sobre a The Frame da Samsung

A The Frame, que conta com versões de 32 até 85 polegadas, é a opção perfeita para exibir todo tipo de arte na tela ao invés da tela preta da TV quando desligada, desde obras-primas dos principais e mais importantes museus e galerias do mundo , até como imagens próprias do usuário. Entre seus diferenciais, a Tela Matte antirreflexo – que se estende para todas as TVs Lifestyle – permite uma experiência sem interferência da luz do ambiente e sem reflexos na tela.

O Slim Frame Design conta com menos de 3 cm de espessura e visual de um quadro em exposição, o que é potencializado pelo suporte de parede Slim Wall Mount e a central externa One Connect (ambos incluídos) para manter a TV alugada à parede e conectada apenas com um fio discreto. As molduras customizáveis ​​em diversos cores e estilos, além do Modo Arte – que dá acesso a obras de arte gratuitas da Coleção Samsung e a possibilidade de assinatura da Art Store*, com mais de 1.400 pinturas e fotografias famosas dos principais artistas e museus do mundo – deixe o The Frame perfeito para quem busca uma TV que é a cara do usuário. Tudo isso com tecnologia QLED e resolução 4K.

*Para ter acesso à Art Store é necessária a inclusão de método de pagamento (cartão de crédito). Serviço cobrado: R$ 16 assinatura mensal para ter acesso a todo o conteúdo disponível. O cancelamento do serviço depende da ação do usuário. Qualquer conteúdo, museu, galeria ou artista pode ser descontinuado ou modificado sem aviso prévio. O Modo Arte mantém a televisão em modo “stand by”.

By admin

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *