A Embaixadora dos EUA, Elizabeth Bagley, anunciou planos para comprar minerais críticos do Brasil em uma entrevista de 15 de maio de 2024 à Folha de São Paulo.

O anúncio oficial ocorrerá na cúpula do G20 em novembro, com foco nos investimentos no setor de mineração brasileiro.

O Serviço Geológico Brasileiro (SGB) define minerais críticos como essenciais para o desenvolvimento econômico e tecnológico, mas que enfrentam riscos significativos de abastecimento.

Esses minerais são cruciais para a produção de equipamentos tecnológicos como semicondutores, smartphones, painéis solares e veículos elétricos.

Exemplos incluem lítio, níquel, cobalto, neodímio, disprósio, nióbio e grafite.

Elizabeth Bagley explicou que este acordo se alinha com a política de “nearshoring” dos EUA, proveniente de países geograficamente próximos e aliados.

EUA comprarão minerais essenciais do Brasil, afirma a embaixadora – Elizabeth Bagley. (Foto reprodução na Internet)

Os EUA investiram pesadamente nas indústrias nacionais de semicondutores para reduzir a dependência da produção chinesa.

Em 2022, os EUA anunciaram um investimento de 50 mil milhões de dólares na indústria tecnológica. Em 2023, impôs restrições aos investimentos dos EUA em empresas de tecnologia chinesas.

Apesar disso, Bagley não considera o Brasil um candidato para investimentos em semicondutores.

Em 14 de maio, o presidente dos EUA, Joe Biden, anunciou o aumento das tarifas sobre produtos chineses.

As novas tarifas incluem 100% sobre veículos eléctricos, 25% sobre baterias de iões de lítio, 50% sobre painéis solares, 25% sobre aço e alumínio e 50% sobre semicondutores.

Esses minerais críticos são essenciais para a produção desses bens.

EUA comprarão minerais essenciais do Brasil, afirma embaixador

Este acordo destaca a importância estratégica da diversificação das cadeias de abastecimento e do fortalecimento dos laços com os principais aliados.

O foco em minerais críticos sublinha o seu papel no avanço da tecnologia e nas soluções de energia limpa.

À medida que a procura global por estes minerais aumenta, essas parcerias tornam-se vitais para a estabilidade económica e tecnológica.

O próximo anúncio do G20 marcará um passo significativo nas relações EUA-Brasil e no esforço mais amplo para garantir recursos essenciais.

Este acordo entre os EUA e o Brasil reflete a necessidade de cadeias de abastecimento estáveis ​​em indústrias críticas.

A ênfase em minerais críticos mostra a sua importância nos setores tecnológico e de energia limpa.

Ao garantir estes recursos, os EUA pretendem aumentar a sua resiliência económica e tecnológica.

Esta parceria com o Brasil destaca a estratégia mais ampla de nearshoring e redução da dependência de fontes distantes.

By admin

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *