Entre os réus estão os irmãos Hermógenes Aparecido Mendes Filho e Ronaldo Mendes Nunes

Policiais Federais durante buscas no âmbito da Operação Sanctus, em dezembro (Foto: Arquivo)

A 3ª Vara da Justiça Federal em Campo Grande aceitou denúncia do MPF (Ministério Público Federal) contra oito investigados no âmbito da Operação Sanctus, deflagrada pela PF (Polícia Federal) no dia 8 de dezembro do ano passado para desmontar esquema internacional de tráfico de cocaína .

Entre os investigados, que agora passam a ser réus, estão os irmãos Hermógenes Aparecido Mendes Filho, 49, e Ronaldo Mendes Nunes, 40, donos de fazendas, empresas de transporte e restaurantes em Dourados, Ponta Porã e Mato Grosso.

Dos nove denunciados pelo MPF no mês passado, o juiz federal Luiz Augusto Iamassaki Fiorentini aceitou as acusações contra oito investigados e excluiu um deles do processo – Heitor de Oliveira Buss, 49, o “Techa”, um dos presos em flagrante no dia da operação com 160 quilos de cocaína em um galpão em Maricá (RJ).

Os outros seis denunciados que passam a responder como réus são Wuillhan Rojas, 38, o “Zóio”, capataz das fazendas de Aparecido em MT; a advogada Cristiane Maran Milgarefe da Costa, 28 anos, amante de Aparecido; Markus Veríssimo de Souza, 25; Luan Yamashita Gonçalves, 33, Jair Marques Neto, 48, e o contador douradense Eduardo Faustino dos Santos, 51.

“Patrões” – Segundo a denúncia, feita com base em inquérito da PF, a organização séria liderada pelos irmãos Aparecido e Ronaldo. A primeira coordenou a logística do tráfico e promoveu a lavagem do dinheiro obtido com a atividade ilícita através da circulação de altos valores através das contas de Cristiane Maran.

Cristiane faz, segundo a PF, o pagamento das despesas de Aparecido e de Wuillhan Rojas, braço-direito do patrão, administrador de suas fazendas e “laranja” nos negócios.

Markus Veríssimo, gênero de Aparecido Mendes, foi, segundo a denúncia do MPF, espécie de “faz-tudo” e administrador de pagamento de contas. Já Ronaldo Mendes Nunes é acusado de usar suas empresas no Brasil e no exterior para reinserir o dinheiro do tráfico no mercado formal.

Luan Yamashita auxiliava Ronaldo Mendes, sendo responsável pelos pagamentos fracionados, pela contabilidade das empresas e pelo controle das contas e documentos, além de outras atividades do dia-a-dia da organização.

Sócio de escritório contábil em Dourados, Eduardo Faustino dos Santos é acusado de fraudar dados contábeis e fiscais de líderes da organização com o intuito de ocultar a origem ilícita dos recursos.

Droga no Rio – O juiz federal rejeitou a denúncia do MPF por tráfico transnacional de drogas e associação para o tráfico, relativamente ao flagrante ocorrido no Rio de Janeiro. Também rejeitou a imputação de uso de documento falso neste mesmo contexto (Heitor usava documento falso no momento da prisão).

Segundo o magistrado federal, embora existam acusações de autoria e prova de materialidade contra Jair Marques Neto e Heitor de Oliveira Buss, a prisão em flagrante deles faz parte do inquérito em andamento no Rio de Janeiro. “Não é caso de reunião tal feito com a presente ação penal, já que não estão presentes quaisquer das causas de conexão e continência previstas no Código Penal”, citou.

Luiz Augusto Iamassaki Fiorentini também rejeitou denúncia contra Hermógenes Aparecido Mendes Filho por tráfico transnacional de drogas e associação para o tráfico em relação ao flagrante no Rio de Janeiro. Segundo o juiz, a decisão é por “incompetência territorial” e “desnecessidade de unidade de processamento”.

“A droga foi transmitida em Pedro Juan Caballero (PY), divisão seca com a cidade de Ponta Porã (MS), de onde partiu para Maricá (RJ). Desta forma, este Juízo não detém competência territorial para processar o ilícito”, citado o titular da 3ª Vara Federal.

Com o recebimento da denúncia, Aparecido Mendes, Ronaldo Mendes Nunes, Wuillhan Rojas, Cristiane Maran Milgarefe da Costa, Markus Verissimo de Souza, Luan Yamashita Gonçalves, Jair Marques Neto e Eduardo Faustino dos Santos passam a ser réus por organização criminosa e lavagem de dinheiro .

Aparecido Mendes é recolhido no sistema penitenciário estadual de Campo Grande. Também seguem presos preventivamente Wuillhan Rojas, Heitor Buss e Jair Marques Neto (os dois últimos presos no Rio de Janeiro). Cristiane cumpre prisão domiciliar e Ronaldo Mendes segue foragido. Os demais respondidos ao processo em liberdade.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal fazer Notícias Campo Grande e siga nossos redes sociais.

By admin

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *