Governador, primeira-dama, secretária e representantes de instituições participantes do lançamento hoje (2)

Primeira-dama Mônica Riedel e governador Eduardo Riedel posam ao lado de meninos com deficiência oculta (Foto: Henrique Kawaminami)

Na tarde desta terça-feira (2), que é o Dia Mundial de Conscientização sobre o Autismo, foi lançado no auditório do Bioparque Pantanalprograma do governo de Mato Grosso do Sul que promete ajudar a melhorar a relação da sociedade com pessoas que têm alguma deficiência oculta como o próprio TEA (Transtorno do Espectro Autista) e a paralisia cerebral, por exemplo.

O governador Eduardo Riedel participou do evento junto com a primeira dama, Mônica Ridel. A secretária de Cidadania, Viviane Luiza, e representantes de instituições que defendem os direitos das pessoas com deficiência em Mato Grosso do Sul, também.

MS Acessível será o nome da ação que, segundo o governo, é inédita no Estado e no Brasil.

Eduardo Riedel destacou que ela foi lançada para “Mato Grosso do Sul continuar se desenvolvendo sem deixar ninguém para trás” e em parceria com instituições da sociedade civil que lutam há anos para dar visibilidade “às deficiências que não têm cara e são incompreendidas” por não sendo facilmente perceptíveis pela maioria das pessoas.

Governadora cumprimenta Mirella Ballatore Tosta, presidente da Associação de Mulheres com Deficiência de Campo Grande (Foto: Henrique Kawaminami)
Governadora cumprimenta Mirella Ballatore Tosta, presidente da Associação de Mulheres com Deficiência de Campo Grande (Foto: Henrique Kawaminami)

Medidas – Na prática, o programa prevê cursos nos servidores públicos estaduais de todas as cidades de Mato Grosso do Sul, ensinando a atender com respeito e empatia pessoas com deficiência e acompanha seusntes em locais como o Detran (Departamento Estadual de Trânsito) e outras repartições que atendem ao público. Quem estiver capacitado receberá um cordão branco e poderá atendê-los com prioridade.

O que vai facilitar a identificação do grupo prioritário será o uso do cordão verde estampado com girassol, símbolo que é reconhecido mundialmente e validado em Mato Grosso do Sul pela lei estadual de 2022. Outro pioneirismo foi essa legislação, acrescentou o governador. Uma lei federal instituindo a medida ocorreu só depois, no ano seguinte.

As empresas já estão procurando o governo para capacitar seus funcionários também, mas isso só será possível após as capacitações dos servidores terminarem, conforme aqui no lançamento. Existem certificados 780, até o momento.

Servidor que fez curso de atendimento recebe o cordão branco (Foto: Henrique Kawaminami)
Servidor que fez curso de atendimento recebe o cordão branco (Foto: Henrique Kawaminami)

Além disso, o MS Acessível vai unir outras pastas do governo para promover ações externas à integração de pessoas com deficiência oculta, como explica a secretária de Cidadania. “Estamos com um projeto de turismo acessível que vai começar por bonitomapeamento de políticas públicas (para pessoas com deficiência nos municípios), e uma ação para melhoria inserção das pessoas com deficiência no mercado de trabalho”, cita.

O governo estima que Mato Grosso do Sul tenha 9 mil habitantes com alguma deficiência oculta. O dado não é oficial, mas foi comentado hoje no Bioparque Pantanal.

Não sabia, e admito – Durante o discurso no lançamento, a primeira-dama admitiu que já ouviu na própria fala termos considerados preconceituosos e desconhecimento sobre como são amplas as necessidades das pessoas com deficiência.

“No primeiro evento público que participei com mães de pessoas com deficiência, vi que falei coisas erradas e descobri que bastava uma rampa para haver acessibilidade. Ignorância que a maioria das pessoas pode ter, uma barreira (a vencer)”, disse Monica.

A primeira-dama, Monica Riedel, enquanto lembrava de erros já cometidos ao se referir às pessoas com deficiência (Foto: Henrique Kawaminami)
A primeira-dama, Monica Riedel, enquanto lembrava de erros já cometidos ao se referir às pessoas com deficiência (Foto: Henrique Kawaminami)

Ela reforça que o uso do cordão de girassol é aliado e será distribuído pelo governo, inclusive. “Parece coisa simples, mas quanto mais simples, maior é a adesão”, falou.

Melhor momento – Presidente da associação de mães de pessoas com TEA, Naina Dibo comemorou esta terça como “o dia mais importante ano” para a família e para toda a comunidade de pessoas com deficiência oculta.

“Mesmo quando a gente fala sobre o cordão (de girassol), a maioria das pessoas com deficiência ainda passa por barreiras de atitude”, ressalta. O termo quer dizer comportamentos ou atitudes preconceituosas que ainda impedem o acesso aos ambientes, a convivência ou os relacionamentos, seja intencionalmente ou não.

A subsecretária de Políticas Públicas para Pessoas com Deficiência, Telma Nantes, classifica este como “o melhor momento para efetivar políticas públicas” para este grupo. “Cerca de 21% da população tem deficiência, esse programa é uma ‘arma’ que eles têm agora”, finaliza.

Banda para baixo Formado por 22 pessoas com síndrome de Down e sete com TEA (Transtorno do Espectro Autista) o grupo abriu o evento de lançamento tocando “Ana Julia” dos Los Hermanos, na versão instrumental.

A inclusão de pessoas com autismo é novidade na banda, que existe há 18 anos na Capital e só admite pessoas com síndrome de Down até um pouco tempo.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal fazer Notícias Campo Grande e siga nossos redes sociais.

By admin

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *